PALAVRA DO PRESIDENTE


UM ANO COMPLICADO

Angelo Colombari - Presidente da ASPMC

Angelo ColombariNeste final de ano gostaria de fazer um balanço sobre como foi o ano para os servidores de Campinas. Mas, infelizmente, a situação não é nada boa para os servidores bem como para toda a população, por causa da crise política dos últimos anos que acabou contaminando a economia e provocando estragos enormes na vida de todos.

A começar pelo desemprego, hoje 13 milhões de pessoas sem perspectiva de salário e renda, passando também por outro detalhe que não dá muito para entender: a inflação. Oficialmente, o governo diz que o custo de vida é de 3%. Fala até que está abaixo disso. Mas e para nós, que vivemos de salário? Para nós a inflação está lá em cima, um verdadeiro absurdo. Vejam os combustíveis. A gasolina sobe praticamente todas as semanas. E as altas são repassadas aos consumidores já no dia seguinte. E se de vez em quando abaixa, demora semanas para cair 1 centavo. O gás é a mesma coisa. Tudo está subindo muito, mas para salários vale a inflação oficial. Realmente está muito difícil viver com o que se ganha.

O problema maior é que vem mais notícias ruins por aí. Na hora de pensar na aposentadoria, teremos de ver como vai ficar a reforma que o governo está discutindo no Congresso. Não se sabe nem que regras o governo quer de fato colocar em vigor. Sim, porque o projeto original não tinha condições de aceitação nem pelos deputados, imagine pelo povo. E por isso precisou ser modificado. Fala-se agora em reforminha mínima. Acontece que não será tão pequena quando gostaríamos.

Não vou entrar no mérito de nada. No entanto, quero lembrar o que especialistas em previdência dizem sobre as contas do Brasil. Falam que a nossa previdência não é deficitária. Os técnicos fazem a seguinte conta: pegam todo o bolo arrecadado e compara com o total gasto em aposentadorias. Aí a conta bate e sobra. Porém, o governo faz diferente. Tudo o que entra vai para o caixa geral da União. E depois ele vai repartindo. Assim, acaba faltando para as aposentadorias.

Quero dizer com isso tudo que há necessidades de mudanças, mas jamais começar por quem dedicou a vida e trabalhou muito para o engrandecimento do país. Não é mexendo nas aposentadorias que o governo vai resolver o seu problema de caixa. Tem a corrupção, como sabemos, tem os gastos desnecessários. Tem um monte de coisas que precisam ser mudadas antes de pensar em enfiar a mão no bolso do trabalhador na hora de aposentar.

Agora é hora de confraternização, de boas notícias, de ficar preparado para mais um ano que vem pela frente. Somos um povo trabalhador e justo, que espera a mesma coisa dos governantes. Desejo a todos vocês um ótimo final de ano, boas festas e um 2018 de esperanças.

Angelo Colombari - Presidente da ASPMC